Outros raios

...
Faz tempestade
Sem perceber
Mostra sua verdade
Tão latente
Daquilo que afirmei
Quem é do mundo
[quando dá vontade]
Esquece da vida
[do outro]
Que já se foi
Ou ficou além
...

...
Dispara contra a alma
Sem perceber
Que só faz pra si
Por mim, nada bem
Certeza na dúvida
Duvido de quem
Promete confiança
[olhando nos olhos]
Mas, se sujeita a alguém
... 

Escolhendo cores


Segure minha mão
Bem suave ou de antemão
Bem segura e de coração
Sem palavrórios, ressentimentos
[interrogação]
Só sentidos
Tão contidos
Reais
[e por que não]
Vividos

Uma versão




...
Quase abandono
[essa pausa súbita]
Sem porquês
É bem verdade
Nada que pereça
Nem descanse
O ombro cansado
[que não balança]
Coração aberto
Alegria
Esperança
...

O presente do pretérito




...
Os sentidos te traem
Já não tens mais o controle
Desvios que se partem
Aparte da saudade
Que ainda faz parte
Desse aprendizado juvenil
- É verdade, viu?
...

Desencontro




...
Tenho sede
Da fonte que desaparece
Que me enlouquece
E se desprende
Acreditando ser possível
...

Em quantas vidas





...
Olhai, atentamente
O sentido é um mistério
Cada qual com o seu
O cenário é pretérito
Onde houvera encontro de ecos
Que vibram intensamente
No corpo
Na alma
Na verdade
Não mente
...

Ventos, raios e relâmpagos

De tudo
Dos mistérios da vida
Eu pouco sei
Há dezoito luas grandes
Achei que tivesse ficado sem
Quando, na verdade
Fora acrescentado
[e partilhado com muitos]
Ela virou filha do vento
A minha mãe: Filha do vento

Só contaram mais tarde

...
Quando ganhamos filhos
Não é para nos tornarmos adultos
Mas para ensinar-nos ou continuarmos a ser:
Crianças espoletas e adolescentes rebeldes
...

 
Fotomontagem de @ovelhanerd

Do vento que me trouxe




...
Na verdade
Eu sempre esperei
Esperei que ela voltasse
Que me abraçasse
Do jeito mais lindo
Do sonho bem vindo
Que ousei respirar
Se no caminho que ainda há
Encontrar pedras, espinhos e coisas mais
É com a beleza das flores
Com sorrisos e amores
Que me reservo à obrigação
De revidar
...

Desatino





...
É de dentro
Dói na alma
Imperceptível
Intransponível
Ninguém percebe
Nem ouve
Pobre espírito
[sozinho]
É quem sente
...

Escada de dois gumes



...
É tempero
[temperança]
Pra moral ferida
Que não cicatriza
E que a mente alcança
Pensamento furtivo
Que tolhe o arbítrio
Herança maldita
Que tolhe bonança
Consciência é força viva
Paciência precisa
Esperança
...

Outras vozes


...
Ouvi sutilezas
Versadas na solidão
Cria criada
Contudo, sem nada
Um reflexo explícito
Do querer e não querer
Seguindo a decisão:
- Ora do, pois sim
- Outra do, pois não
...

Objeto-homem




...
Ela censura o amor
Não posso dizer nada
Por mais que sinta desejo
Prefere ficar surda
[só sexo]
Mais nada
...

Alforrie-se



...
Se algum dia
Lancei cordas a te prender
Que isso seja desfeito
No que me diz respeito
É justo, preciso e direito
...

Encíclica para o amor próprio





....
Urge fazer um roteiro
Para que meus pensamentos
Não tenham vida própria
E acabem com minha própria vida
...

Terapia à base de Zeca Baleiro



...
Não sei mesmo
Nem imagino o que pode ser
Escuta só:
É tão verdade
E o que fazer com ela
Nem mesmo sei o quê
...
Eu
Você
Fogo
Lenha
[sem mais porquês]
...

Confissão

Não sei o que fazer
Nessas horas de espera
Nem mesmo me encontro
Perdido em pensamentos
Fraquezas e medos
É só instinto
Coisa animal
Consome a carne
Adormece a mente
Razão que não se explica
Puro egoísmo
[confortável não é?]
Para estes meus caprichos
[tão meus quanto teus]
Ter-te quando sozinho
Em horas cortantes
Em noites apartadas
És a imagem
Do desejo perfeito
Que aquece a alma
Do quero e não quero
Desassossegando o que sou

Reincidência


 

...
Minha vida passa por mim
Perplexo, percebo enfim
Que pergunta certa
Nunca tem fim
E mesmo assim
Escuto calado
Daquele jeito:
Sisudo, armado
- Quando é que se diz sim?
Tem convite pra felicidade
Tenho medo, é verdade
Só não posso desistir
...

[In]determinando


...
Eu sou letra solta
Que fala nas entrelinhas
Sou meio homem, meio menino
[desbravador nessa vida]
Penso que nada fiz pela atração
Talvez seja um apelo da alma
[solidão]
Talvez puro altruísmo do coração
Ou conteúdo próprio
[que dispensa razão]
Mas nada disso importa
Porque se juntares as letrinhas
Saberás quem sou
...

Uni, duni, tê

...
A escolha
Que tanto exercitamos
Na passagem dessa vida
Não pode ser absorção
[condicionante passivo]
Deve ser energia
A catapulta
Para o fim desejável
...

Mandinga





...
Latente esperança
Que rege esse prumo
Linha de linhos
De cordas sem nós
Exale simpatia
No resto do dia
Não chore
Não lamente
Resolve-se por si só
...

Acareação


Acordei decidido:
Vou encarar o espelho
E vi refletido
Meu rosto, meus pensamentos,
Minha vida e minhas ações
Queria quebrá-lo ao meio
[ou em mil pedaços]
Mas não posso culpá-lo
Ele apenas me mostrou quem sou
E eu não gostei do que vi

Pudera eu ser um beija-flor
[livre, leve, rápido]
Que escolhe o pólen com precisão
Uma bela caça ao predador
Porém, sabe que é o preço que se paga
Por ele não ser apenas mais um pássaro

Quem cutuca onça com vara curta
Tem duas opções:
Uma é correr
E a outra
Você sabe me dizer?

Insolência



...
Se no reflexo do outro
Não te reconheces

Não és o que pensas
Apenas
[e contudo]
O possível
...

O peso das asas


...
Quem me dera eu poder voar e pousar onde quisesse
Amar quem quisesse e fazer tudo que acho que precisa ser feito
Sem magoar, sem ser cobrado, sem ser visto
Quem me dera que não todos, mas que alguns
Pudessem ver a vida como vejo
Sentisse como sinto e chorassem como choro
Quem me dera puder te amar sem ter que dar explicações
A mim, a você e a tantos
...
Por isso fico aqui
[como sempre]
Evitando a todos e a tudo
Porque quanto mais envelheço
Mais volto a minha adolescência
Esperando, quem sabe, ter coragem de gritar
[ou fugir]
Para onde ninguém possa controlar
Ou apontar que tudo está errado
...
Estou sentindo uma liberdade de poder dizer e fazer o que quero
Então, desesperadamente procuro uma veste
...

Dermatológico



...
Toque-me
[dedo a dedo]
Sinta nas pontas
O contato
A pele ardente
De cor anonimato
Um descontrole tátil
Que faz vibrar
...
Há um suspiro solto no ar
Não tem mistério
É só vontade que dá
...

Diapasão


...
Entendimento não é fácil
É pra quem pratica
Afasta ruídos
[alinha-se]
Não cabem reparos
Nem remendos
Desses remediados
Que não libertam
[desafinam]
Por favor:
Abra a sua cortina
Ecoe sinfonia
Do teu eu universal
...

Cumplicidade



...
Tinha um tinto
Vinho sobre a mesa
E uma certeza de dúvida
Recorrência da vida
Decorrente de seus atos
Escrevendo entre atos
Taça vazia
Desatando nó da solidão
...

Todo dia é dia

Dia de sol
Dia de chuva
Dia nublado
Dia gelado
Dia quente
Dia cinzento
Dia escuro
[...]
O que muda ou faz diferença
É como você se prepara para cada dia
[...]

Crie, recrie, ame, sorria
Faça tudo valer a pena
[plenamente]


Meu agradecimento aos amigos e amigas que aqui chegam, permanecem, comentam, seguem, estimulam, partilham...