Confissão

Não sei o que fazer
Nessas horas de espera
Nem mesmo me encontro
Perdido em pensamentos
Fraquezas e medos
É só instinto
Coisa animal
Consome a carne
Adormece a mente
Razão que não se explica
Puro egoísmo
[confortável não é?]
Para estes meus caprichos
[tão meus quanto teus]
Ter-te quando sozinho
Em horas cortantes
Em noites apartadas
És a imagem
Do desejo perfeito
Que aquece a alma
Do quero e não quero
Desassossegando o que sou

3 comentários:

  1. Do desejo, o desassossego e algumas imagens que gravam em corações

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito de poesias e achei seu blog que sorte a minha!
    Seus poemas trazem imagens para o coração e mente, faz querer ler todos.
    Adorei.
    Léah

    ResponderExcluir
  3. É Julio,

    quer me parecer que a Poesia está em sua veia...

    Delícia navegar nas suas postagens...

    Abraços

    ResponderExcluir